Kroos quer nova reação da equipe: “Temos muita pressão para vencer”

Um dos destaques do El Clásico pelo lado do Real Madrid, o meia Toni Kroos espera manter o bom momento da equipe nesta terça-feira (27), quando o clube merengue encara o Borussia Mönchengladbach pela Liga dos Campeões e dar novos rumos para na competição europeia após a derrota na estreia.

“Já sabemos a importância deste jogo depois da derrota com o Shakhtar. Já estamos com pressão desde o início e para nós este jogo é uma final”, destacou o alemão, que retornou recentemente de lesão e vinha alternando alguns momentos no banco de reservas.

Durante a coletiva, Kroos também deixou claro sua vontade de encerrar a carreira no Real Madrid, apesar de ter sido sondado por outros clubes. “Tive propostas, mas nunca falei com outros clubes por causa da minha ideia é terminar a minha carreira no Real Madrid”.

Confira outras declarações do meia-campista:

Dúvidas sobre Zidane: “Da nossa parte nunca houve dúvidas com Zidane. Perdemos e ganhamos juntos. É fácil se algo não vai, bem-dizer que há dúvidas. Mas o resultado do clássico mostrou que não é assim.”

Derrotas contra Cádiz e Shakhtar: “Não é uma questão de motivação. Depois das derrotas conversamos e deixamos claro. Às vezes as coisas não dão certo e é assim. Um clássico é especial, mas você ganha o campeonato contra pequenos rivais. Vimos que não é um problema de motivação, mas às vezes não sai. Com a derrota com o Shakhtar, temos muita pressão para vencer amanhã”.

Um Kroos mais ofensivo: “Procuro sempre melhorar o meu jogo e nunca vou deixar de fazer porque é a chave para jogar neste nível durante muitos anos. Nunca será a minha primeira ideia fazer golos porque tenho outras coisas mais importantes para contribuir para a equipa. O importante para mim, é criar, dar controle, segurança e criar chances para a equipe, se eu também marcar gols, também vale a pena”.

O segredo das duas derrotas: “Contra o Cádiz ninguém jogou ao seu nível e se isso acontecer perde-se contra equipes da terceira divisão. Faltou confiança ao Shakhtar depois do primeiro gol. Às vezes isso acontece e o bom é que nunca desistimos. Vencemos um jogo, mas amanhã temos outra final. Você tem que jogar melhor do que no sábado para ganhar amanhã”.

Medo da irregularidade: “Para mim, o medo não existe no futebol, mas é verdade que se começar com uma derrota já existe pressão. Mas confio em nós e que faremos melhor.”

Críticas: “Se joga pelo Madrid, tem de aceitar que, se perder jogos, há críticas. O importante é como reage e estivemos muito bem. Mas é apenas uma vitória e tem de continuar assim.”

Nível do Bayern: “Temos uma equipe para jogar assim. Nos últimos meses, eles são a melhor equipe do mundo e temos que aceitar isso. Mas vivemos assim desde 2016 e éramos os melhores. Existem muitas equipes boas, mas isso muda muito rapidamente. Para isso trabalhamos, para ter bons resultados. Temos qualidade para melhorar”.

Objetivo na Champions: “Gostaria de ganhar a quinta Champions porque ganhar esta competição é especial. Pelo menos quero ganhar mais um Champions”.