E agora, Real Madrid?

A vida de um clube é recheada de altos e baixos, eliminações e títulos e certamente a história do Real Madrid contém mais alegrias do que tristezas. Mas nem o mais otimista torcedor merengue imaginaria que algo tão desolador aconteceria no Etihad Stadium na competição em que o time tem mais afinidade.

Torcedores, calma. A intenção deste texto não é se aproveitar de uma eliminação, e sim, trazer um aspecto reflexivo para entender a narrativa do que o futuro pode nos reservar.

Sim, estamos completamente chateados, com raiva e principalmente confusos sobre o que realmente aconteceu naquela partida. Porém, basta respirar profundamente e tentar encaixar as peças. Mas quais? As de que um elenco extremamente vitorioso pode acabar cedendo a falta de vontade.

O que este cenário criado pode impactar, por exemplo, em Zinedine Zidane? Ou o quanto recai nas costas de Sergio Ramos, capitão e principal líder do vestiário? E o que Florentino Perez pensa a respeito disso tudo? Com certeza são perguntas sem respostas, mas que podem causar inúmeras possibilidades de ações.

O passado no presente para entender o futuro

E você como um bom madridista, deve-se lembrar da palavra que ecoou na imprensa espanhola após a fatídica temporada de 2018-2019: mudança, substantivo feminino que se refere a troca, substituição e que estaria encarregada para ser manuseada pelas mãos de Zidane. Porém, nada do que foi esperado aconteceu.

A mesma proporção de expectativas que as chegadas de Eden Hazard e Luka Jovic causaram nos torcedores, foi a mesma que os levou a tristeza por não acompanhar nem 10% do que eles apresentaram com a camisa de Chelsea e Eintracht Frankfurt, respectivamente. Mendy, Rodrygo e Militão ainda, que pouco, tiveram seus lapsos.

Mas e agora, torcedor? A história foi escrita, mas ficou no passado. O presente nos reservou um resgaste da chama que havia se apagado, mas também nos mostrou que nem sempre é possível repetir algo tão grandioso. No ditado popular, “o futuro a Deus pertence”, mas o que podemos esperar?

Claro que uma segunda eliminação consecutiva nas oitavas de finais da principal competição europeia pesa. E pesa muito. Isso, por exemplo, pode influenciar positivamente naquilo que esperávamos na temporada retrasada. Mas sabemos que a pandemia originada pela Covid-19 causou grandes danos nos cofres merengues e impossibilita de fazer grandes transferências.

Será que seremos surpreendidos com algumas contratações, novas escalações ou iremos estar fadados a estar nas redes sociais questionando aqueles que viraram case de sucesso?

E agora, Real Madrid