Fede Valverde, a ‘carta na manga’ do Real Madrid

Fede Valverde

Uma carta na manga, assim é possível definir Fede Valverde no Real Madrid. Em poucos meses o meia uruguaio se converteu na peça que faltava ao esquema de Zidane. Como um truque inesperado, o jogador surpreendeu a todos com suas recentes atuações, e hoje é difícil até mesmo imaginar seu nome longe do onze titular.

Mas, afinal, quais são as características que podem explicar a ascensão do jogador dentro da equipe, além de sua função cada vez mais imprescindível no estilo de jogo merengue. Para tanto, é necessário voltar um pouco no tempo, e relembrar a estratégia proposta pelo técnico francês quando reassumiu a equipe em março de 2019.

Seu discurso sempre se baseou na importância dos meias para o funcionamento do time, algo considerado como ‘cerebral’. Isso foi perceptível na janela de transferências, onde os maiores esforços para contrações acabaram sendo para esse setor – a novela Pogba exemplifica bem.

A partir desse momento um alarme começou a soar no clube, sendo evidente a necessidade de um novo meio-campista, mas com um estilo diferente do trio principal (Casemiro-Kroos-Modric).

Coincidência ou não, esse jogador já se encontrava no Real Madrid, e era ninguém menos que Valverde com sua mescla de qualidades tanto ofensivas quanto defensivas. Em suma, o meia de 21 anos possui duas características fortes em seu perfil dentro das quatro linhas, sendo elas: cobrir espaços e uma extrema versatilidade.

Para tornar ainda mais fácil o entendimento, vamos destrinchar cada uma delas apontando seu funcionamento nas partidas.

COBRIR ESPAÇOS

Um dos aspectos que mais gera críticas ao Real Madrid são os espaços concedidos durante as partidas. Esse problema, faz com que os rivais tenham maior liberdade para atacar e possuam ainda em diversos momentos a posse da bola.

Com Valverde em campo essa situação é bem menos frequente, já que sua cobertura no meio é enorme. Ele funciona basicamente como um escudo para Casemiro, já que auxilia nas roubadas de bolas, cortes rápidos e interceptações.

Sua atuação ainda se estende para outros aspectos como nas linhas de marcação e passes, que tendem a se recolher com sua cobertura mais próxima nos lances, consequentemente diminuindo os espaços tão indesejáveis e facilitando o toque de bola.

Jogadores com esse perfil são difíceis de rastrear em campo, surpreendo assim o adversário e aumentando a parte criativa e ofensiva do time. O jogador revelou em recente entrevista que o técnico cobra ainda que ele arrisque mais em direção ao gol rival. “Ele me pede para tentar chegar à área do rival, e sempre brinca que eu atiro no goleiro porque faço isso nos treinos, mas aos poucos vou me acostumando”, afirmou o meia.

Essa habilidade não é nenhuma novidade para o jogador, que já era conhecido em sua escola de futebol pelo apelido de ‘El Pájaro’ (O pássaro), justamente por ser pequeno e rápido – o que sempre facilitou para que estivesse em várias partes do campo em questão de segundos.

Como já cantava Dan Reynolds, na famosa canção ‘Birds’, da banda Imagine Dragons: “Birds fly in every directions” (pássaros voam em todas as direções) – Fede segue a risca essa definição!

VERSATILIDADE

Com a sombra das lesões e o baixo rendimento de atletas como Isco e Modric, se tornou comum o rodízio de jogadores dentro do elenco. Dar descanso é fundamental para que atletas considerados pilares cheguem ‘inteiros’ para as decisões de fim de temporada.

O grande problema é conseguir fazer isso sem perder a qualidade e rendimento da equipe. Neste caso, ter jogadores com grande versatilidade no elenco é mais um trunfo.

Mais uma vez, temos Valverde como opção direta nesse quesito. Em teoria o jogador é o ‘reserva’ de Casemiro fazendo assim a função de meia central ou o conhecido primeiro volante, ainda que essa não seja a posição que mais favorece o jogador em campo.

Seu potencial é mais aproveitando quando faz dupla com Toni Kroos, onde da liberdade para o alemão transitar e distribuir seus passes. Enquanto, o uruguaio preenche os espaços e rompe as linhas dos rivais com sua movimentação rápida.

Bem, depois de toda essa explicação fica fácil entender os motivos que fizeram de Fede Valverde uma das peças mais importantes no time titular de Zidane. Uma reformulação na equipe ainda não foi vista, e parece estar mais no campo das ideias do que na realidade.

Ainda assim, aos poucos mudanças importantes vão sendo feitas e quem sabe esse seja o primeiro passo para recuperar o bom futebol do Real Madrid visto em temporadas mais gloriosas.