Em meio a polêmicas, Zidane tenta controlar ambiente: “Sei onde estou e não mudarei minha posição”

O técnico Zinedine Zidane esteve presente para a entrevista coletiva nesta sexta-feira (4), pouco tempo antes do último treino que encerrou a preparação da equipe merengue para a partida deste sábado (5), contra o vice-líder da competição e surpresa até o momento, Granada. O duelo será no Santiago Bernabéu pela oitava rodada do Campeonato Espanhol.

Durante a entrevista, o treinador abordou alguns temas específicos que ficaram marcado, como a ausência de Courtois no segundo tempo da última partida por conta de uma gastroenterite e o atraso de Bale. Porém, deu importância ao duelo deste sábado.

“Amanhã jogamos primeiro contra o segundo e isso significa tudo, é uma equipe que está fazendo uma boa temporada como nós e queremos jogar um bom jogo. Houve pouco tempo para se recuperar, mas este é o jogo de amanhã e estamos pronto”, declarou o treinador francês.

Separamos alguns trechos importantes da coletiva. Confira logo abaixo:

As vaias injustas para Courtois: “Injusto ou não, é o que existe e ele sabe disso, ele é forte, ele sabe que a situação é culpa de todos, de qualquer maneira, pois a primeira vez antes de Brugge, não há necessidade de dar mais voltas”.

O debate continua no gol: “Sempre há debate aqui, sempre haverá, você faz o seu trabalho e eu o meu. Tenho 25 jogadores e terei todo mundo, fiz três jogos a zero e lá estava ele, o que eu vou fazer, vamos seguir em frente, temos um jogo amanhã”.

A experiência de sua adaptação e se falou com Courtois: “Posso falar com os jogadores, posso falar sobre essas coisas, depois do Brugge não. Sabemos o que fizemos, embora a segunda parte não tenha sido espetacular, demos a cara e, no final, mudamos o jogo. Você precisa saber que eles estão tendo uma boa temporada, somos melhores que dois meses atrás e estaremos melhores com certeza mais tarde”.

Líder da Liga e, no entanto, debate sobre o gol: “As duas coisas, eu não sei se você precisa entender alguma coisa, eu estou aqui para isso, então nós sabemos a situação, não somos tão ruins e focamos no que podemos fazer em campo”.

Se Lucas é afetado pelas vaias: “Isso afeta e você precisa aceitá-lo e ele sabe que ele fez coisas boas e o aplaudiram, então é a única coisa que quando as coisas acontecem um pouco pior, você precisa reagir pelo bem da equipe”.

O atraso de Bale antes do jogo: “Isso fica lá dentro, você tem informações que não deveria ter, tenho que falar com o jogador, mas você teve informações que não deveria ter. Eu digo … mas o que vamos fazer?”

Bale, de lateral esquerdo: “Eu não pensei nisso, não, existem outras opções antes, eu digo …”.

Courtois: “Estava mal, claro, pois pode acontecer de tempos em tempos, foi embaralhado, pode acontecer, mas um jogador pode jogar e, em repouso, ele não deveria jogar”.

Courtois indiscutível: “Ninguém é indiscutível, eu nunca te disse isso, somos 25 jogadores e vou contar com todos, sempre, desde o início até o fim. Tenho que rir porque é verdade”.

Militão de lateral: “Sim, pode ser, pois além de defesa, também jogou de lateral direita e é uma opção”.

Sente a pressão como uma prova a cada jogo: “Sim, mas sempre, não é necessário dizer, sei onde estou e não mudarei minha posição de treinador e lutarei até o último dia porque gosto do que faço e me sinto capaz”.

A mensagem para a Liga: “A mensagem é sempre a mesma, é todos os dias e todos os treinamentos, todos os momentos para dar tudo. Sabemos que esse futebol nos exige muito e sabemos que tudo o que fazemos é importante”.

Opinião sobre Areola: “Ele é um ótimo goleiro, como Thibaut, de qualquer forma, temos dois bons goleiros para jogar. Todo mundo é importante e todo mundo sabe onde ele está, treina e quer jogar, e eu decido. Os jogadores devem estar prontos, mas não é verdade que eles sempre jogam da mesma maneira. É claro que alguns jogarão mais que outros. Areola se adaptou muito rapidamente”.

A campanha contra Courtois: “Ele não é o único responsável pelo que aconteceu da última vez. Concedemos, mas não é só dele, porque também o que dizemos dos três jogos anteriores que não se encaixavam. Devemos sempre ser bons, se não marcarmos. Se encaixarmos, será sempre o mesmo, e o que você quer que eu diga. Se jogarmos primeiro contra o segundo, será que não fizemos tão mal”.

(Foto: Pierre-Philippe Marcou/AFP via Getty Images)