Tacón joga bem, mas perde para Athletic por pênalti polêmico no Troféu Carranza

Em seu segundo jogo após a fusão com o Real Madrid, Tacón enfrentou o Athletic Club de igual para igual

Poderia ter sido dessa vez, Tacón/Real Madrid jogou bem e deu trabalho a umas das equipes mais antigas e experientes do futebol feminino na Espanha, mas viu a derrota chegar após um pênalti inexistente marcado a favor do Athletic Club. A derrota não permitiu que as mulheres levassem o troféu do tradicional torneio Ramón Carranza, da cidade de Cádiz, na mala, mas elas voltam para Madri com a sensação de que fizeram um ótimo trabalho.

É claro que estamos falando de uma equipe em formação e que ainda não teve tempo de criar um entrosamento exemplar, por isso os elogios merecem destaque. Especialmente no que se refere à vontade e a determinação. Malena Ortiz, camisa 8 (cuidado para não confundir com Samara, camisa 14), tem só 22 anos e já é a capitã da equipe. Ela mostrou muita personalidade e vontade em campo. Assim como sua irmã gêmea, Samara. Elas são do elenco remanescente do Tacón, ambas mostram muita qualidade e merecem paciência e cuidado.

Se há outro fator que podemos elogiar é a regência de Sofia Jakobsson. A sueca mostrou-se novamente ser o coração do ataque merengue. Suas tabelas com Asllani – as duas facilmente se achavam em campo, prometem ainda render muitas alegrias aos torcedores. Elas de fato se encaixam e o gol, por capricho, teimou a sair.

Se por vezes a zaga parecia um pouco desconexa, na maior parte do tempo Daiane foi bem e regular. Assim como Thaísa aparecia bem para acionar o ataque ou dar apoio a marcação. De qualquer forma, o gol não estava a Deus dará. Yohana mostrou-se gigante de baixo das traves, dificultando a vida de Lúcia Garcia, atacante adversaria, e sendo providencial em jogadas que pareciam de gols claros.

Um Tacón que apanhou e seguiu de pé; mas sentiu a ação incompreensível do VAR

Asllani sofreu diversas entradas duras durante a partida e deixou o campo aos 80 após sentir dores (Foto: Twitter/Cádiz)

A quantidade de divididas desproporcionais vindas da equipe Bilbao foi enorme. Ainda assim, as madridistas permaneceram de pé. Malena e Asllani foram os principais alvos. Malena Ortiz foi substituída, minutos depois Samara Ortiz também saiu . Kosovare Asllani deixou o gramado aos 82 minutos após dividida com a goleira.

No minuto 68, Ane Azkona caiu na área. Após uma demora, o árbitro foi chamado pelo VAR para revisar o lance e marcou pênalti. A jogada não se tratava nem se quer de uma disputa, Daiane caiu escorregando – assim como a jogadora do Bilbao, e seu pé encosta no ombro de Ane já caída. Ambas estavam no chão. Mas a arbitragem anotou o pênalti que Maitê Oroz converteu.