Toni Kroos: “Nunca esquecerei o dia da minha apresentação no Bernabéu”

Toni Kroos é um jogador de poucas palavras, é um jogador mais de fazer do que falar. Porém, desta vez o meia do Real Madrid falou e resolveu fazer isto para revista española Esquire. 

O alemão falou da sua mudança de Munique para Madrid, da sua vida na capital española e de sua família. Kroos também comentou sobre o dia da sua apresentação no clube merengue o recordando com “um dos dias que nunca esquecerá”. O meia também falou do seu futuro, depois que encerrar a carreira como jogador.

O jogador diz que não que ter a mesma rotina que tem hoje, de treinos, viagens e jogos. Por isso, um futuro como técnico está descartado para o meia de 28 anos.

Confira:

Futuro com técnico: “Eu não gostaria de ser técnico, não quero ter a mesma vida que agora, sem parar de viajar, não estando em casa… É ainda pior, porque você tem que planificar a equipe. Assim, não quero ser técnico.

Outra profissão: “Eu não sei, não tive tempo para pensar nisso. Aos 16 anos, quando os outros meninos estavam pensando o que fariam quando fossem mais velhas, eu já era jogador. Comecei a treinar com o Bayern nessa idade e quando tinha 17 anos fiz a minha estreia na equipe profissional… Assim é fácil escolher uma profissão.”

Mudar de Munique para Madrid: “Foi um grande passo. Eu tinha 24 anos e foi muito difícil deixar o meu país. Mas, me sinto muito bem aqui, minha esposa também, as crianças estão felizes, e venho tendo êxito há um bom tempo.

Espanha ou Alemanha: “Claro que é diferente viver longe de casa, mas já estou em Madrid há cinco anos e me sinto muito bem em Madrid. Demorei uns dois anos para aprender espanhol e poder dialogar com os meus filhos e no vestiário. Nos sentimos bem em Madrid e queremos ficar aqui por muito tempo.”

Esse dia foi louco:Meu primeiro dia no Real Madrid foi um dia especial. Eu estava de férias e tive de ir a Madrid para assinar meu contrato e apresentar-me diante dos torcedores no (estádio) Santiago Bernabéu, foi tudo muito especial. Havia cerca de 20 mil pessoas e não era um jogo, só a minha apresentação. Nunca esquecerei desse dia.


Melhor amigo no vestiário: “Não tem só um, mas, por exemplo, Lucas Vázquez é um cara muito divertido e tenho uma boa relação com ele. A atmosfera no vestiário é muito boa com todos da equipe. Mas, obviamente, é melhor quando ganhamos que quando perdemos, mas é um bom ambiente.”

Chuteiras brancas: “Talvez seja um problema psicológico, eu não sei, mas eu preciso delas. Para mim, hoje é um grande desafio usar chuteiras pretas.”

Infância: “Quando eu era criança, via muito futebol na televisão e saía para jogar com meu irmão (Felix Kroos). No começo era só diversão, mas eu percebi eu não jogava tão mal… E aqui estou.

Tênis e basquete: “A verdade é que eu vejo mais tênis e basquete na televisão que futebol, mas eu gosto de ver os grandes jogos da Champions, mas para ser sincero também não vejo muito. ”

Federer ou Nadal: “Essa é fácil, meu tenista favorito é Roger Federer, me perdoem os espanhóis. Também gosto de (Rafael) Nadal. O conheço, é uma pessoa genial, inteligente e divertida, mas prefiro Federer.

NBA: “Na NBA, eu gosto do dos Mavericks porque nos últimos anos eles tiveram um jogador alemão (Dirk Nowitzki), posso dizer que ele é o meu jogador favorito. Mas, pelo estilo de jogo, eu gosto de Stephen Curry.”

Fundação: “Eu tenho sorte, eu tenho uma família, todos nós temos saúde, trabalho no que eu gosto… Eu sinto que tenho que devolver algo à sociedade. Quando você vê os rostos das crianças e suas famílias, você percebe que está fazendo as coisas bem e é algo que me emociona.”

Futuro dos filhos: “Eu os ajudaria, mas se eles não quiserem tudo bem, não é algo que seja importante para mim. Quero tanto Leon como Amelie como o terceiro filho que estamos esperamos sejam boas pessoas e façam com suas vidas o que eles fazem feliz, como eu fiz.”

 

Foto: Revista Esquire

Anúncios